Surfe: após ataque de tubarão, WSL decide levar Maui Pro para Pipeline

A WSL (Liga Mundial de Surfe) anunciou nesta quinta-feira (17) que mudará o local de realização do Maui Pro, primeira etapa do Circuito Mundial de Surfe feminino, após um ataque de tubarão na última semana em Honolua Bay (Havaí), sede inicial da competição.

Agora, a competição continuará a ser realizada em Pipeline, na ilha de Oahu (Havaí).

“O restante do Maui Pro […] foi aprovado para ser concluído em Pipeline [a primeira vez que uma competição feminina de CT será realizada no local]. Temos apoiado o recém-aprovado projeto 10 e estamos ansiosos para ser uma parte de trazer maior igualdade de gênero para o surfe no Havaí”, disse em comunicado o diretor-executivo da WSL, Erik Logan.

“Estou muito grata pela oportunidade das mulheres surfarem aqui em Pipe, em um dia normal é muito complicado e intimidante conseguir uma onda aqui, então olhar para a programação com apenas outra garota é muito especial”, declarou a atual campeã mundial Carissa Moore.

Brasileira na disputa

O Maui Pro será reiniciado com a disputa entre a brasileira Tatiana Weston-Webb e a norte-americana Sage Erickson pelas quartas de final da competição.

Competição masculina

Também nesta quinta, reiniciaram as disputas no Billabong Pipe Masters, primeira etapa do circuito mundial de surfe masculino. A competição havia sido interrompida na última sexta-feira (11) após funcionários da WSL, entre eles o diretor-executivo Erik Logan, testarem positivo para o novo coronavírus (covid-19).

Adicionar aos favoritos o Link permanente.